Seguindo o blog

Postagem em destaque

PERFUME DE MULHER - Soneto

Tu que tens os aromas e as cores Da beleza que invade meu querer Adornada em paisagens de amores Adentrando o oasis do meu ser....

sábado, 2 de novembro de 2013

DEVANEIOS



A luz do teu olhar me tem sondado,
E me persegue sem cessar, noites e dias.
As vezes, eu quase posso ver...
Tal é a intensidade do que sinto.
Sorrateira, se achega, faz estardalhaço,
Me atinge no peito, me faz em pedaços,
Me tira o sossego e depois se vai...

Outras vezes eu sinto tão perto,
Que, por um instante, quase posso tocar.
Posso até ouvir a respiração,
E quando se aproxima, em passos lentos
Posso até sentir seu perfume no ar.

Inebriante sensação!
Que confunde a minha lucidez.
Tantas vezes me pego imaginando
Tateando ao vento, pensando te ver. 
De repente chega a realidade
E tua imagem aos poucos se desfaz,
Como a chama que se apaga lentamente,
Ou uma estória sem fim e sem começo
Procurando uma forma de existir.

Os dias passam... os meses, os anos...
E, aos poucos, eu mesmo vou passando,
Sem saber onde é que vou chegar.
As vezes, penso até que não é minha
Essa imagem que vejo no espelho.
Tão diferente, marcada pela vida,
Apática, estática, sofrida.

E, assim, como uma luz no fim do túnel,
você volta a invadir meus pensamentos.
Ilusão, alucinação, quem sabe....
Talvez sejam simples devaneios.
Pois a estrada dessa vida não é reta,
Existem curvas, atalhos e desvios.

Quando penso que tudo está correto
Você surge, como que do nada
E me obriga a repensar a vida,
Retornar ao ponto de partida
Refazer antigos ideais,
Consertar desvios, evitar tropeços.

A loucura... eu sei, ela também me sonda.
Mas ela  também  tem os seus encantos.
Se ela for como essa que você me faz,
Eu prefiro nem lembrar de lucidez.
Quero mais é perder a razão
Nessa boca que me contamina,
Que navega livremente sobre mim,
Que me dopa, embriaga e me alucina.

Ah, e esse perfume!
Tão impregnado no ar que respiro.
Essência de vida, cheiro de paixão.
Se eu fosse escolher palavras,
Para repeti-las, com ou sem razão,
Diria que teu cheiro, se apossou de mim
Me invadiu a alma, corpo e coração.


José Bento

Nenhum comentário:

Postar um comentário