Seguindo o blog

Postagem em destaque

PERFUME DE MULHER - Soneto

Tu que tens os aromas e as cores Da beleza que invade meu querer Adornada em paisagens de amores Adentrando o oasis do meu ser....

sexta-feira, 4 de abril de 2014

O PINGO



Eu vi um pingo, pendendo no galho
Brilho reluzindo um tom de azul
Vi naquele pingo, a linha do horizonte,
Montanhas e montes do norte e do sul.

Eu vi um pingo de uma cor dourada
Refletindo as cores do entardecer
Enquanto na planta da minha sacada
Um pingo pingava, sem se perceber.

O pingo que pinga já foi muitas águas,
Já foi rio  doce, logoa e mar.
Desceu cachoeira, passou pelo vale,
Seguiu a clareira, até desaguar.

Eu vi um pingo, da folha caindo
Enquanto caía, fiquei a pensar,
Como se o tempo houvesse estacionado
O pingo parado, suspenso no ar.

Eu vi um pingo levado no vendo
Caindo no rio, lançado no mar.
O mar tão brvaio, na fúria do vento,
Evapora o pingo e o lança no ar.

O céu escurece, o trovão proclama...
Recomeça o ciclo, tudo se refaz.
Animais e plantas, tudo que tem vida
Dependem dos pingos da chuva que cai.

José Bento

Um comentário:

  1. Cada pingo que cai sobre a face da terra, é um detalhe a mais no logo processo de construção da vida.

    ResponderExcluir